17
Wed, Jan
6 New Articles

 
Dia 19 de janeirona na Casa do Território, no Parque da Devesa, realiza-se o debate sobre o tema da bioenergia que se inicia com o filme: "O Tema Escaldante - Quando a bioenergia corre mal", dinamizado pela ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável e pela Associação Famalicão em Transição.

Trata-se da primeira sessão AMBIENTAR-SE desde ano, uma iniciativa do Município de Vila Nova de Famalicão em parceria com associações locais ligadas à proteção do ambiente, que integra exibição de filme seguido de debate. 
Esta sessão conta com a presença de Nuno Forner, da ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável, com Jorge Moreira da SEA - Sociedade de Ética Ambiental, e com Henrique Zamith da Associação Famalicão em Transição.
A sessão tem como objectivo debater o contexto atual das energias endógenas e renováveis, da sua evolução e da situação face ao panorama nacional e internacional.
 
Nuno Forner, ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável,  realça que é "fundamental que existam salvaguardas ao nível da legislação europeia no que respeita às energias renováveis, onde se inclui a bioenergia." 
Acrescenta ainda que "para evitar que a “bioenergia corra mal” é fundamental que existam salvaguardas ao nível da legislação europeia no que respeita às energias renováveis, onde se inclui a bioenergia. Estas salvaguardas devem acautelar a utilização insustentável da floresta para aquecimento e produção de eletricidade, assim como o uso de culturas alimentares para a produção de biocombustíveis."
 
2017 foi um ano marcado por incêndios devastadores e pela seca extrema
 
Relativamente, à questão dos incêndiosa Nuno Forner refere que "os incêndios devastadores de 2017 realçaram a necessidade de um melhor ordenamento do território e de um efectivo sistema de recolha da biomassa exclusivamente residual. Aguardamos, com expectativa, o novo Plano Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, que prevê, entre outras iniciativas, o desenvolvimento de novas centrais a biomassa, distribuídas pelos concelhos de maior potencial, antecipando-se que 2018 seja marcado por uma exploração sustentável da bioenergia nacional."
Ao longo dos últimos meses, a ZERO tem vindo a exibir este filme e promover o debate sobre as bionergias em diversos pontos do país.
Este encontro inicia-se às 21h30 na próxima sexta-feira e tem entrada livre

Depois de o grupo Ricon, com fábricas em Ribeirão e Fradelos, ter anunciado que se encontra em processo de insolvência, por constrangimentos financeiros, o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) questionou o Governo, nomeadamente os ministros da Economia e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, sobre “os mais de 800 postos de trabalho em risco”. 

O deputado Pedro Soares questionou Caldeira Cabral se o Governo estaria “a acompanhar a situação”, “que medidas está ou pensa tomar de modo a garantir que a produção tenha continuidade e a evitar que centenas de postos de trabalho sejam colocados em causa ou se está a acautelar os direitos e interesses dos trabalhadores”, nomeadamente se os salários e os subsídios de Natal estariam salvaguardados. As mesmas questões foram colocadas a José Vieira da Silva pelo deputado José Soeiro.
Ao que o Jornal do Ave sabe, os 800 trabalhadores do grupo têxtil receberam apenas metade do salário de dezembro e do subsídio de Natal, sendo que a administração não adiantou quando será pago o restante valor.
“A situação tem vindo a preocupar os trabalhadores, tendo em conta que um eventual encerramento da empresa despoletaria uma crise social e económica de grande dimensão no nosso concelho e em toda a região, certamente com repercussão nacional, mas desde logo para muitas famílias famalicenses que seriam afetadas pelo desemprego”, alegaram os bloquistas tanto no documento que o grupo parlamentar apresentou aos ministros como na moção de apoio aos trabalhadores, na defesa dos seus postos de trabalho e contra o encerramento da empresa, que a concelhia do BE de Vila Nova de Famalicão apresentou na Assembleia Municipal.
O BE de Vila Nova de Famalicão apelou ainda à Autarquia para utilizar toda a sua influência “junto das entidades competentes, Governo, administração do grupo Ricon, bem como junto dos credores, para que tudo façam no sentido de evitar o encerramento das empresas”.

O FC Famalicão foi a Arouca jogar a 20.ª jornada da LedMan LigaPro e perdeu, pela margem mínima. Sem pontuar, os famalicenses somam 30 pontos e está em 9.º lugar. 

Leia a reportagem na íntegra na edição do Jornal do Ave, que está nas bancas a 18 de janeiro. 

Em Vila Nova de Famalicão já cheira a Carnaval! A cerca de um mês da noite mais esperada do ano, os grupos de foliões já não pensam noutra coisa, as costureiras já começam a alinhavar os fatos e um pouco por toda a cidade já se respira o ambiente carnavalesco.
A Câmara Municipal associa-se à festa através de uma campanha de comunicação que pretende mobilizar toda a região e o norte de Espanha, fazendo de Vila Nova de Famalicão o epicentro dos festejos carnavalescos.
Aqui o Carnaval celebra-se na véspera, na noite de segunda para terça-feira, isto é de 12 para 13 de fevereiro, com milhares de pessoas nas ruas, numa enorme festa coletiva e espontânea onde todos participam e todos se divertem.
A única regra é vir fantasiado e entrar na festa. Famílias inteiras, grupos de amigos, equipas mais ou menos organizadas invadem a cidade, num movimento contagiante de alegria e muita folia. Os bares e cafés abrem as portas e juntam-se à festa com os seus dj’s a oferecerem música aos foliões, madrugada dentro. Todos fantasiados numa mega festa de Carnaval ao ar livre onde há lugar para toda a gente.
Para além da divulgação e projeção do Carnaval de Famalicão, a autarquia dá todo o apoio logístico a este evento que nasceu da vontade e iniciativa popular, há cerca de duas décadas.
Assim, a Câmara Municipal aposta num plano de mobilidade, com autocarros gratuitos a percorrer o concelho transportando os foliões para a festa, assegurando a participação em segurança de todos os famalicenses. “Não queremos que ninguém falte ao Carnaval de Famalicão e por isso asseguramos o transporte gratuito para o centro da cidade, partindo de diversos pontos do concelho, percorrendo todas as freguesias”, adianta o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha.
Para quem vem de fora, a autarquia em parceria com a CP – Comboios de Portugal possibilita viagens a dois euros ida e volta nos Comboios Urbanos do Porto, nas Linhas de Aveiro, Marco de Canavezes, Guimarães e Braga.
“Esta é uma excelente oportunidade para os foliões vivenciarem a experiência do Carnaval de Famalicão, mas também para ficarem a conhecer melhor o nosso concelho, as nossas gentes, a nossa cultura e a nossa identidade”, afirma Paulo Cunha.
Tendo como palco principal a zona envolvente ao Parque da Juventude, nomeadamente as ruas Luís Barroso, Luís de Camões, Praça 9 de Abril, Avenida de França e Rua D. Fernando I, a festa estende-se por toda a cidade.
Para além da noite de Carnaval, a Câmara Municipal aposta também numa descentralização da animação carnavalesca em várias freguesias do concelho.

A S. Roque, Máquinas e Tecnologias Laser, sediada em Oliveira S. Mateus, no concelho de Vila Nova de Famalicão, entrou no ranking das 1000 Maiores & Melhores do Dinheiro Vivo, tendo vencido na categoria de rendibilidade (bens) entre as produtoras de bens. 

Segundo o ranking elaborado pelo Dinheiro Vivo para a revista Star Company, a empresa famalicense apresentou uma rendibilidade económica na ordem dos 42,7 por cento e uma rendibilidade financeira de 58,2 por cento, face a um resultado líquido de 12,6 milhões de euros.

A S. Roque é uma das maiores empresas mundiais na construção e comercialização de máquinas de estamparia têxtil, construindo máquinas customizadas e de alta performance e precisão para a indústria têxtil com recurso a tecnologia de ponta nas áreas do corte a laser e da quinagem.
Durante uma visita à empresa no âmbito do roteiro Famalicão MADE IN, o fundador e CEO da empresa, Manuel Sá, afirmou que a “real força da S. Roque é a dedicação que imprime na busca de soluções de engenharia ou para qualquer outro tipo de necessidade que os clientes apresentem”. “Trabalhamos com a certeza de que amanhã iremos ser os melhores”, frisou
Para o sucesso da S. Roque, o jornal Dinheiro Vivo apontou que “o ADN inovador que corre nas veias desta PME ajuda a concretizar estas metas”. A prová-lo “está o crescimento médio na ordem dos 20 por cento, reportado ao longo dos últimos 12 anos de atividade. Em 2016, ano fiscal a que se refere este ranking, o aumento na faturação da S. Roque Máquinas foi de 31,59 por cento, com uma taxa de exportação na ordem dos 76,45 por cento.

Já arrancaram as obras de conservação e valorização da Ponte da Lagoncinha, na freguesia de Lousado, em Vila Nova de Famalicão.
A Ponte sobre o rio Ave, construída no século XII, provavelmente sobre as ruínas de uma antiga ponte romana na via que ligava Bracara Augusta a Cale integrou recentemente a Rota do Românico do Ave, beneficiando de um financiamento para um conjunto de obras de requalificação da estrutura.
Para já foram realizados os trabalhos de limpeza da vegetação de pequeno e médio porte que circundava a ponte, seguindo-se a partir do dia 22 de janeiro um conjunto de intervenções na edificação que irão colocar várias restrições ao trânsito na ponte.
Assim, entre 22 de janeiro e 30 de março, o trânsito estará interdito entre as 7.30 e as 17.30 horas. E a partir de 31 de março até 31 de maio o trânsito será totalmente interdito.
Para o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, “esta intervenção que já era aguardada há algum tempo irá permitir dotar a Ponte da Lagoncinha de melhores condições de circulação e de segurança, assegurando assim a proteção e valorização deste importante património que tanto engrandece o nosso concelho”.
No total, as várias intervenções implicam um investimento de cerca de 154 mil euros contando com o cofinanciamento de cerca de 128 mil euros, pelo Programa Operacional Regional do Norte – Norte 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).
Com uma duração prevista de 6 meses, o programa de intervenção integra o tratamento e limpeza das cantarias em granito, o restauro e nivelamento do tabuleiro da ponte com pendentes para a drenagem das águas pluviais e consolidações estruturais e pontuais de fissuras existentes nos paramentos e intradorso do tabuleiro da ponte.
No fundo, pretende-se, por um lado, eliminar os fatores de risco e de degradação infraestrutural e melhorar as condições de segurança e, por outro, proteger e salvaguardar os elementos patrimoniais e melhorar as condições de fruição.

Videos em destaque

Siga-nos no facebook